(RE)COMEÇO

Entendendo o preço, aproveitando o tempo, ao material sem apego pois no final é tudo vento. A palavra sigo lendo e obtenho força nos joelhos, percebo que a cruz foi além do sofrimento revelando o verdadeiro amor que não mereço ao qual me rendo e saio da realidade que já foi de muitas mentiras e poucas verdades em meio às vaidades dos egos inflados pedindo massagem alimentando a carne com aquilo que tem prazo de validade.

Escolho voltar a realidade de buscar a santidade sem limitá-la a sexualidade. Uma só vida, uma só verdade, um só caminho para eternidade. Não falo de placa ou religião, mais que doutrina, escolho a contra mão. Rebeldia segundo o Fariseu mas quem sonda meu coração é Deus e pela revolução aqui vou eu. Pois não dá pra ficar sem dormir direito, falar do que é certo repetindo erros me trás questionamentos quanto ao modo que estou vivendo. Sei que existe um preço e por isso permaneço mas precisando de um recomeço.

De que vale o temor sem amor, a composição da flor é perfume, forma e cor. Conheço as regras, rejeito as setas, sei da pressa, o ontem já era, o sapato aperta, e me falta o ar, que volto a buscar. Preciso respirar o teu perfume que me faz continuar. Por fora lindo vaso de barro, bela forma e pintado, mas água parada igual eu parado. Poesia é como um espelho. Me enfrento quando escrevo. O você muitas vezes sou eu mesmo. No teu olho um cisco, no meu uma trave, amor e perdão se tornando a chave fundamental da unidade.

Ser ou não ser, deixou de ser a questão, o coração aqui vem antes das mãos, servir por servir, não gera salvação do filho que tem convicção e faz o que faz em paz por gratidão e não engana-se ao pensar que pode merecer o que recebe e avança carregando o fardo que fica leve quando se arrepende e aprende com as dificuldades permitidas para o crescimento de quem precisa viver com sentido a vida que pelo pai das luzes foi escrita, Ele é quem nos ensina a lutar como quem não tem como perder pois não fizemos nada por merecer a misericórdia e por isso a desgraça não priorizo, pois pela graça, dom não merecido este é mais um dia em que vivo.

Me chamam de louco e eu não tiro a razão, reconheço o tamanho da minha loucura. Mas vendo os frutos entenderão o porque das escolhas e da minha postura. Encontrei o caminho que me fez livre e uma nova criatura.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s